Não seja mar para quem é poça

sobre a solidão
Aprendizados sobre a solidão
23 de dezembro de 2019
mãe solo empreendedora
Mãe solo empreendedora: como ser multitarefa e dar conta de tudo?
18 de setembro de 2020
Show all

Não seja mar para quem é poça

não seja mar

A vida nunca é fácil para quem sente muito, para os intensos, que gostam de viver as emoções e se entregar às relações. Baumann já dizia mesmo que os amores eram líquidos e parte de mim acredita, enquanto a outra parte me diz que, mesmo estando o mundo tão superficial, seria muito egocentrismo acreditar que só existe esse mar de emoções dentro de mim. Devem haver outros.

Já sofri demais procurando compreender como as pessoas conseguem mentir, enganar ou simplesmente viver momentos incríveis e não se apegar. Já achei que o problema estava em mim, por amar demais, por sentir demais. Até eu entender que eu era um mar, mas que precisava aprender a identificar quem era poça.

Com o tempo, a gente vai aprendendo a diferenciar. É que os mares são sempre intensos, impossíveis de controlar. Mesmo nas calmarias, eles estão ali em constante movimento, com milhões de coisas dentro de si.

Já as poças são rasas e estáticas. Elas surgem e se vão com rapidez, não costumam permanecer por muito tempo, pois evaporam. Não que seja errado ser uma poça, nunca sabemos o que aconteceu para que elas se transformassem daquela maneira, mas quem é mar não pode se envolver com quem é poça, pois não são compatíveis.

É duro olhar para alguém e sentir um turbilhão de emoções e no reflexo do olhar alheio não encontrar nada além de uma busca por sentimentos passageiros. É difícil tentar mergulhar e encontrar o fundo tão superficial. É ruim se culpar por sentir muito e ter que demonstrar pouco. Você passa a perceber que às vezes é melhor estar sozinho do que ter de sentir essas emoções.

Mas você já observou um entardecer na praia? Já viu como o mar é lindo mesmo sozinho? Já compreendeu a imensidão que ele tem? Por que você sofre por poças tendo todo este amor guardado em si? Por que não voltar esse amor para você mesmo, focando em sua evolução e crescimento?

Devem haver outros mares por aí e talvez você os encontre, talvez não. O importante é cuidar de si mesmo e enxergar como a vida pode ser linda quando você tem autoconhecimento e amor próprio. Você passa a não aceitar menos do que merece.

Karina Oliveira
Karina Oliveira
Formada em Letras, apaixonada por marketing digital, café, gatos e pelo meu filho lindo. Gosto de compartilhar conhecimentos e dividir experiências.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

%d blogueiros gostam disto: