Ser empreendedora: será que este caminho é para você?

hidradenite supurativa
A hidradenite supurativa como parte da minha vida
5 de dezembro de 2020
cid hidradenite supurativa
Qual é o CID da hidradenite supurativa e para que ele é utilizado?
23 de novembro de 2021
Show all

Ser empreendedora: será que este caminho é para você?

empreendedora

A palavra empreendedorismo teve lá seu sucesso em 2019, até ficar mal vista, por conta dos discursos de alguns “coaches” e “gurus” de que você só precisa acreditar e que tudo vai dar certo e você vai ficar muito rico, porque a lei da atração e blá blá blá. 

Olha, me desculpe os envolvidos que puderem se chatear, eu não estou falando de ninguém em particular e sim do discurso em si que, para mim, nada mais é do que falácia. Sou empreendedora e, além de não ser nada fácil, quando se é mulher, mãe, pobre, a coisa ainda piora — e muito. 

Vou compartilhar um pouco das minhas ideias hoje com mulheres que, como eu, ainda estão caminhando para a construção de seus futuros e estão com dúvidas sobre a vida de empreendedora. Mas eu vou mandar a real, tá? Vamos lá!

Você tem dinheiro para investir?

Eu sei que tem milhões de pessoas por aí dizendo que você pode empreender sem ter dinheiro e estando falido e isso é verdade, você pode mesmo. Só que precisa entender que seu caminho será muito mais difícil, você não vai fazer muito dinheiro rapidamente e, em alguns casos, vai demorar até pra ver algum lucro.

Isso porque você precisa de grana para tudo, seja no momento de investir em publicidade (criar anúncios, ter um site, trabalhar nas redes sociais da empresa, etc.) ou para compra/desenvolvimento do produto ou ainda ferramentas para realização de serviços (no caso de fornecedores de serviços).

Se você não está sendo obrigado a empreender do nada (o chamado empreendedorismo por necessidade), meu conselho é ir guardando uma renda mensalmente para investir no futuro. Essa renda também precisa ser suficiente para te manter por um tempo, pois você não tem como saber quando começará a ter um retorno.

Você quer ganhar dinheiro fácil?

Se existe um jeito de ganhar dinheiro fácil, esse jeito não é sendo empreendedora. Você vai precisar abrir mão de feriados, finais de semana, se dividir em mil para lidar com todas as questões financeiras, fiscais, logísticas e o que mais tiver na sua empresa. Como dito ali em cima, não se sabe quando terá um retorno e, ainda por cima, pode dar errado (vou falar disso adiante).

“Mas Karina, vi gente dizendo que ganha dinheiro dormindo fazendo marketing digital!”

Essa pessoa estava vendendo um curso de marketing digital? Um produto fabuloso ou um método incrível de ganhar dinheiro? Foge.

Nos últimos anos vi muitos “gurus” do marketing digital que na verdade vendem produtos digitais ou fazem produtos digitais e dizem que, sem esforço, dá para ganhar muito dinheiro. Já comece se perguntando porque essa pessoa precisa trabalhar vendendo o curso se ela tem a fórmula mágica para o pé de dinheiro.

Mesmo a venda de um curso como afiliado precisa de estudo, pois você trabalhará divulgando o produto e ganhando comissão em cima. Então, vai ter que investir dinheiro em anúncios, vai ter que criar anúncios (vai precisar aprender ou contratar alguém $), criar conteúdo, trabalhar bases de leads (não sabe o que é? vai ter que aprender também), entre outras estratégias de vendas digitais. 

Ou seja, não precisa só de acesso a Internet e, vai ganhar dinheiro dormindo sim, depois de muito estudo, trabalho e sorte também. Afinal, o produto tem que ser bom e ter gente interessada nele.

“Mas Karina, e se eu produzir e deixar os afiliados venderem?”

O que você vai vender? Como vai criar? Tem equipamento, conhecimento, ferramentas de edição de imagens, vídeos, som e o que for necessário para a criação do seu produto? Se é um e-book, quanto você vai cobrar? As pessoas vão pagar este valor no seu e-book mesmo?

Para mim, ainda não parece dinheiro fácil, e para você?

Você tem horror a fracassos?

Sério, esse item é muito importante. Empreender é um risco e você pode obter sucesso e mudar sua vida, mas também pode perder tudo e acabar endividado, precisando recomeçar tudo de novo por outro caminho, ir aprendendo com seus erros. Muitas pessoas que fizeram sucesso não tiveram êxito logo de primeira.

Richard Branson é um empresário que, antes de fazer sucesso com a gravadora Virgin Records, investiu em mais de 100 companhias que deram errado. Teve de tudo: marca de lingerie, vestidos de noiva, banco, companhia aérea e até uma tentativa de concorrência com a Coca-Cola, que era a Virgin Cola. Em seu blog pessoal ele relatou que:

“Toda pessoa, e especialmente todo empresário, deve receber o fracasso de braços abertos. É somente por meio dele que aprendemos. Muitas das mentes mais excelentes do mundo aprenderam isso do pior jeito”

Ainda podemos citar grandes nomes como Bill Gates, Elon Musk, Mark Zuckerberg, entre outros. Dá uma olhada neste artigo da Forbes. O ponto aqui não é desanimar você e dizer que sua primeira empresa está fadada ao fracasso, mas sim levantar a questão de que isso pode acontecer e é preciso ter persistência para permanecer sendo um empreendedor.

Minha experiência com fracassos

Eu confesso que já tive um micronegócio que não foi para frente. O nome da empresa era Letrase (é, eu reutilizei o nome, identidade visual e domínio para este projeto pessoal) e eu trabalhava sozinha, sonhando em crescer e me tornar uma agência de marketing de conteúdo.

Começou quando eu era freelancer lá em 2016, vi a oportunidade da ausência de conteúdo para web de qualidade no Brasil (ainda existe), e pensei: opa, vou investir nisso. Na época o marketing de conteúdo, SEO, tudo isso era palavrão para as empresas, ninguém entendia e o mercado não tinha grande concorrência aqui no Brasil.

Perfeito, né? Mas eu já era mãe solo, muito jovem, pouca experiência, mas muita vontade de aprender. Cheguei a ter uma carteira de clientes bem legal, mas aí veio o boom do marketing digital, apareceram cada vez mais “concorrentes”.

Coloco aqui entre aspas, pois surgiram profissionais de outras áreas que não entendiam nada de SEO e de marketing digital e acharam que, por escrever bem, poderiam ser redatores web. Como os clientes não entendem e não sabem como medir resultados, deu ruim para mim. Eles já não queriam mais pagar os valores que eu cobrava. Os novos clientes, os antigos conheciam meu trabalho e permaneceram.

O sucateamento da área foi inevitável e ainda estamos nesta fase. Pensei então que deveria me qualificar ainda mais, me tornar uma redatora realmente qualificada que me destacasse muito da multidão e que, ao mesmo tempo, me trouxesse clientes que valorizavam meus serviços. 

Consegui, até certo ponto, mas enxerguei a falha: sozinha eu não conseguiria criar uma campanha de marketing completa ou mesmo produzir um site do zero que eu pudesse implementar o SEO e trazer resultados. Eu não sou designer, nem tenho vocação para isso. Meu negócio são as letras, o conteúdo, a estratégia.

Não tinha dinheiro para investir (olha aí o tema sensível), não tinha como contratar alguém para realizar os serviços e nem tinha os conhecimentos necessários para seguir em frente dessa maneira. 

Deixei a Letrase um pouco de lado, vivi novas experiências, estudei, aprendi, errei, acertei, conheci pessoas, mas não desisti de ser empreendedora. Agora tenho a 1nic Digital. Será que vai dar certo? Tudo indica que sim, eu tenho me esforçado ao máximo, mas só o destino dirá.

Você gosta de estudar?

Querida amiga, se a resposta for não, você talvez deva repensar no empreendedorismo como alternativa. Desde que comecei nesse caminho, não tem um mês que eu não precise aprender sobre algo novo.

Se você for empreender sozinha, vai precisar pelo menos ter noção da área administrativa, marketing, contábeis e até um pouco de Direito (para entender seus direitos e deveres como empreendedora).

Vai precisar estudar sobre empreendedorismo, modelos de negócio, planejamentos, métricas, estratégias, já está achando muito? Mas calma, não precisa aprender tudo de uma só vez. 

É por isso que você precisará abdicar mão de alguns passeios, viagens e momentos de lazer. Quando não estiver trabalhando, precisará de tempo para estudar e desenvolver o seu negócio. Não será fácil, por isso é preciso pensar bem.

Você tem suporte?

O que vai acontecer se você investir tudo o que tem e acabar com dívidas? Terá alguém para te dar um suporte? Se a resposta for não, não significa que você precisa desistir de ser empreendedora, mas sim se preparar ainda mais.

Para nós que não temos família rica ou pessoas que possam nos auxiliar financeiramente o risco é muito maior. Não temos muita margem para erros e, como eu falei lá em cima, eles podem acontecer.

Sendo assim, planeje muito antes de começar. Se possível, não entre de cabeça, não saia do emprego sem antes obter uma estabilidade ainda que mínima. 

Junte dinheiro (de novo essa tecla, mas é preciso) e esteja psicologicamente preparado para meses em que você acha que tudo vai dar certo e outros que o mundo vai desabar e você vai fracassar. Acontece com quase todo empreendedor.

Você quer mesmo ser empreendedora?

Um trabalho CLT é muito mais confortável, economicamente falando. Você tem seus salários nos dias estipulados, a quantia estipulada, pode fazer planos para o futuro com tranquilidade. Empreendedoras podem passar meses sem que a empresa dê lucro, somente tendo o retorno necessário para pagar as contas.

Quando esse retorno começa a chegar, ele não costuma ser estável. É que depende também do seu tipo de negócio, mas, no geral, não se sabe quanto receberá daqui a dois meses, seis meses, um ano.

Férias? Você vai precisar se organizar muito para tê-las. Separar um dinheiro todo mês para tirar as férias em um mês do ano. Dependendo do negócio, elas serão impossíveis, pois, ou você trabalha, ou não recebe.

Se você tem um cargo alto e ganha bem, provavelmente não vai tirar o mesmo valor no início da sua jornada como empreendedora. Além disso, não vai ter ninguém para te lembrar nada, nem dizer se está certo ou errado — só o cliente, mas aí já vai ser em forma de reclamação.

Você está pronta para enfrentar o patriarcado? Go girl!

Eu sei que descrevi muitos pontos negativos, mas eles são uma realidade. Ainda temos o “bônus” de sermos mulheres. Não se engane, ainda há muito machismo no meio empresarial e você poderá passar por situações que os homens não precisaram passar nunca. Terá o seu conhecimento muito mais questionado, sua conduta, sua vida pessoal, sua aparência, tudo.

Se é casada ou mãe, provavelmente terá a jornada dupla e um bocado de culpa materna por não poder ser a mãe 100% presente na vida do seu filho. Enfrentará parentes e até amigos incrédulos do seu sucesso.

Mas não desista. Se ser empreendedora é o que você quer, não desista. O mundo precisa de mais mulheres na linha de frente. Precisa de mais igualdade de oportunidades e de mostrar que podemos fazer igual ou melhor do que eles. Por que não?

Eu não sou super expert em empreendedorismo, tenho tanto a aprender que esse texto pode passar por mudanças no futuro, eu posso mudar. Na verdade eu quero mudar, eu quero aprender e evoluir. 

Não sou eu nem qualquer outra pessoa que vai dizer se esse caminho é para você. Somente você tem o poder de escolher e enfrentar tudo o que há à frente.

E aqui vai um desejo até meu mesmo que tenho tanto a percorrer: nos vemos lá no topo!

Karina Oliveira
Karina Oliveira
Formada em Letras, apaixonada por marketing digital, café, gatos e pelo meu filho lindo. Gosto de compartilhar conhecimentos e dividir experiências.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

%d blogueiros gostam disto: